Pequenas coisas

- Atos independem de coisas. A dedicação independe de atos alheios. Gosto das pequenas coisas. Sou contra “se comprar” alguém para conquistar. Gosto de provar o valor de alguém através dos meus próprios esforços. Uma canção tocada e cantada ao violão, ou à acapela, vale mais do que mil caixas de bombons. Uma declaração vale mais do que um buquê de flores. A constância no que chamamos “visita” também conta. Atos são mais importantes que presentes. Porque o Amor não pode ser comprado.

- É por isso que você vai à casa dela?
- Uhum.
- Mas...tão cedo?
- Nove horas é um ótimo horário para se acordar.
- Você a ama mesmo...?
- Mais do que qualquer outra garota que já tenha passado pela minha vida....Ela pulsa em mim...
- Para mim, isso é só empolgação.
- Não é, e você saberá em breve.
- Sério que é contra se comprar alguém? 
- Sim.
- Mas presentes são importantes....
- Só quando tem utilidade. Claro que só compro quando vejo que é algo almejado. Como naquele dia em que te dei aquele livro,lembra?
- Sim. Ainda o tenho – ela pega O Mundo de Sofia e o abraça.
- Quando vão causar sentimentos felizes não penso duas vezes antes de comprá-lo. Estou indo, mana.
- Mano.
- O que?
- Já que atos são mais importantes que presentes... se você ama sua maninha.... se importaria em lavar as roupas ?
Ele ri.
- Parece que o que falei entrou num ouvido e saiu no outro. Os atos têm que ser espontâneos para terem valor e alcançarem seu objetivo que, no meu caso, é a Vanessa. Depois te ajudo com os afazeres domésticos.
- Mano.
- O que é?
- A Vanessa tem sorte.



Datado de Julho de 2008. 

Comentários

  1. Take 1
    "A dedicação independe de atos alheios."

    Take 2
    "Uma canção tocada e cantada ao violão, ou à acapela, vale mais do que mil caixas de bombons. Uma declaração vale mais do que um buquê de flores. A constância no que chamamos “visita” também conta. Atos são mais importantes que presentes."

    Sim, é isso... simplesmente e só isso.
    A Vanessa tem sorte.

    ;)

    ResponderExcluir
  2. Achei isso lindo - e a Vanessa tem mesmo sorte. ♥

    Gosto dessa ideia, de que atos valem mais do que coisas materiais quando se trata de demonstrar carinho e apreciação. Fico tão mais emocionada quando alguém se lembra de coisas que eu falei do que quando recebo um presente. Não sei explicar, mas saber que o outro realmente estava prestando atenção aquilo que eu falava me deixa contenta, me faz sentir que ele se importa comigo ou com o que eu falo.

    E aí? Fez o teste de personalidade? hehe
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Estamos de acordo! Mas, sempre pode haver alguém que queira aproveitar de nós, nestas questões, não é?

    A constatação óbvia é que família é outra esfera em que os atos, e tudo isto, tem significado ampliado, potencialiado

    ResponderExcluir
  4. Ok, fui pega de surpresa. Achei que a história se tratasse de algo completamente diferente até ler que "o amor não pode ser comprado". E ok, posso admitir que ainda estou digerindo várias frases desse conto para que eu possa levá-las como aprendizagem. Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto de ganhar chocolate :P
    Mas srsly, que textinho fofo. Eu não entendo muito de relação, sou o tipo de pessoa que gosta de deixar as coisas bem claras logo ou eu explodo. Então quando amo alguém eu falo e é isso.

    ResponderExcluir
  6. O amor e os atos, quando é de verdade, quando é comprado, comprado ? O maor tem de ser conquistado, como numa escalada, fazer por merecer, dúvida cruél, afinal é do amor que estamos falando. E eu vi/li amor, quase sendo dissecado em tamanhas e quantas proporções. Difícil, mas consegui me encontrar novamente e absorto, tomado por um diálogo que seria tão simples, não fosse tão profundo e bonito, de novo o amor, o amor supremo, soberano, porque amamos os nossos. Difícil. O amor em sua forma plena de solidariedade, mas que dá de presente o seu amor de uma forma única, sem perder os amores do coração de sempre, existem sim, acabei de ler, o amor que a gente só encontra muito raramente numa única pessoa. Difícil, mas delicioso. Obrigado por me receber assim, perdão pela falta, e obrigado por continuares a escrever, escrever, belamente escrevendo, minha querida amiga e escritora Emilie, a favorita, a outra é a poeta.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  7. Concordo plenamente, os atos são o que contam mesmo e quando somos surpreendidos por atos que visam a nossa felicidade, certamente esses atos permanecerão intactos na memória e marcarão até o fim.

    O mais importante, penso eu, é a motivação espontânea do narrador em relação ao presente da Vanessa, em nenhum momento ele demonstra vontade de ser retribuído pelo ato, apenas faz... É isso que faz total diferença.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Eu ia ficar possessa da vida e chutá-lo pra fora se ele aparecesse na minha porta às 9h da matina. Tenho dó da Vanessa - ou, ao contrário de mim, ela é uma pessoa boa e que acorda bem-humorada, que gosta quando o cara vai até a casa dela.
    Eu ia achar ele estranho, mandar me dar espaço e bater a porta na cara. Sou revoltada? D:
    Achei bonito o comentário do Vitor Costa, queria ter pensado nisso também, HAHAHAHA! Mas fiquei é brava com essa história de acordas a moça as 9h, como pode? Eu heim.

    (Me julgue, eu deixo.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shana, é verdade!! Desconsidere isso. Eu precisava de um horário razoável pra personagem acordar. Mas, pensando agora, é insano esperar que alguém acorde tão cedo. Deveria ter feito um update e colocado 14hs (é uma hora boa pra uma visita).

      Excluir
  9. Vanessa é ultra hiper mega sortuda e seja lá o que fez o "mano", o fez em uma fôrma especial e jogou fora, só pode.
    Atos sempre serão mais importantes que presentes, por que presentes até pessoas que nao se importam ou querem teu mal podem te dar um presente, mas são com os atos que percebemos quem gosta de nós ou não.
    Chu ~ http://auwss.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Dois namorados que tive se encaixam perfeitamente nessa história: um me cobria de presentes, o outros me cobria de atenção e sempre fazia questão de dizer que me amava. No final das contas, não deu certo com nenhum dos dois, mas ainda sou amiga do segundo. Não me importo com montanhas de presentes e coisas físicas (detesto ganhar flores, acho que elas morrem e que é um desperdício de dinheiro), mas gosto de saber que sou especial pra pessoa. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz